Palestra (Uniceub): visto de estudante para os EUA

A Agência de Mobilidade Estudantil do UniCEUB, em parceria com o Consulado dos Estados Unidos, realiza a palestra Visto de estudante para os Estados Unidos, que tratará de diferentes tipos de visto, de como solicitar o visto estudantil e das principais dúvidas relacionadas ao tema. O evento ocorrerá no dia 26 de agosto, no auditório do bloco 1, às 10 horas e no auditório Elza Moreira Lopes, bloco 3, às 19h15, no campus da Asa Norte.
A palestra será ministrada por Luís Linhares, vice-cônsul da Embaixada, Karine Barbosa e Hugo Schmidt, analistas da Seção Consular, e Guilherme Medeiros Viana, representante da Education USA.
A participação ao evento está sujeita à lotação do auditório. O UniCEUB reserva-se o direito de alterar a programação sem prévio aviso.
Fonte: (Uniceub) texto recebido por e-mail.
Share on Facebook

Choque cultural

Choque cultural é o momento em que há um estranhamento sobre uma outra cultura. Esse estranhamento ocorre em virtude de, muitas vezes, nós estarmos “limitados” a nossa própria realidade e às nossas próprias práticas culturais. Nós nos constituímos sujeitos a partir dos outros e, muitas vezes, a nossa identidade se constitui na diferença. Olhar para o outro é olhar para nós mesmos, é perceber a vida em sua multiplicidade.

Viajar e conhecer outras culturas é muito bom. Quando viajo, sempre sou desafiado a lançar um novo olhar sobre o desconhecido, sobre o outro, isso me faz refletir bastante sobre a minha vida e sobre a minha própria cultura.

O momento em que nós nos desafiamos a mergulhar na diferença é o momento em que nós podemos quebrar paradigmas e refletir sobre as nossas próprias práticas. Cada cultura se organiza de uma maneira diferente da outra, cada ser humano é único em sua própria essência, compreender a diferença consiste em compreender o que é a vida, o que é ser humano e, principalmente, compreender a nós mesmos.

 

Share on Facebook

O que é nomadismo digital?

A tecnologia tem transformado a vida das pessoas nas últimas décadas. Mais recentemente, com a internet, essas mudanças têm revolucionado muitas esferas da vida humana, especialmente a esfera do trabalho e das relações interpessoais. Trabalhar remotamente tem sido um novo desafio para o estilo de vida e de trabalho dos ditos nômades digitais.

Muito diferentemente do que parece, o nomadismo digital está mais para um estilo de vida de quem trabalha remotamente. Em virtude dessa nova concepção de trabalho, é possível viver em qualquer lugar do mundo onde haja acesso a internet. Esse estilo de vida exige uma grande reflexão sobre a organização de cada um em seu dia a dia e, também, muita disciplina.

Não se decide, aleatoriamente, “ser nômade digital”. Não é algo que se faz, simplesmente, com um computador nas mãos e uma passagem aérea para qualquer lugar do mundo. Tampouco significa combinar, aleatoriamente, trabalho com viagens. Nomadismo digital é sinônimo de turismo.

Existem vários tipos de nômades, que se organizam de diversas maneiras… alguns trabalham por conta própria (freelancers), outros são pequenos, médios e grandes empresários, alguns são assalariados. O nomadismo digital não se define em virtude da quantidade de meses em que se passa em um local ou em termo de quantidade de países que se visita.

Compreender o nomadismo digital é uma maneira de cada um se conhecer e se perceber no mundo, trabalhando remotamente.

Compartilho a minha experiência como nômade digital no vídeo em que publiquei neste artigo, estejam à vontade para compartilhar a opinião de vocês e as suas experiências.

Um abraço a todos.

Share on Facebook

Nomadismo digital

Nomadismo digital

Há mais de 5 meses, eu comecei a viver como nômade, “sozinho” pelo mundo. Tive medo no início, mas me ter como companheiro tem sido muito bom, tenho aprendido muito sobre mim e, também, sobre os outros nessa jornada. Além disso, pessoas maravilhosas têm passado pelo meu caminho, nas mais diversas situações e contextos. Tenho vivenciado muitas coisas (nesse pouco tempo), de uma maneira muito diferente do que costumava vivenciar. Cada vez que me mudo, apesar de lamentar por ter por ter de me despedir do que eu construi, eu me sinto novamente desafiado a desbravar novos lugares e a interagir e a conhecer novas pessoas, novas culturas. Em duas semanas, eu me mudo novamente. Ainda não decidi para onde vou: Japão, Thailândia, Croácia, Sérvia, Austrália… o mundo é muito grande e eu estou de braços abertos para o desconhecido. Não tenho data para voltar (e fico me perguntando: voltar para onde?). Não estou em uma “viagem”, tampouco estou limitado a algum lugar, eu me sinto LIBERTO. Todos os dias, quando acordo,tenho dito para mim mesmo: VIVA A VIDA QUE VOCÊ SEMPRE IMAGINOU.

 

 

Share on Facebook

Londrina Revisão de Texto

Você está escrevendo o seu trabalho de conclusão de curso, dissertação de mestrado, tese de doutorado ou precisa revisar um livro antes de publicá-lo? Necessita de revisão para empresa/ONG por preços acessíveis e trabalho de qualidade? Entre em contato conosco. Somos um grupo de revisores da UnB (Universidade de Brasília), da graduação e da pós-graduação. Trabalhamos com revisão de texto há cinco anos. Revisamos monografias, teses, dissertações, livros, anúncios publicitários, redações de vestibulares (atuamos em 2013 no processo de correção de redações do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM)) e também prestamos serviços de revisão para órgãos públicos.

Obs: possuímos CNPJ, atestado de capacitação técnica, emitimos nota fiscal e, também, temos registro no CNPq (clique na imagem à direita para visualizar).

Atenção: nós não elaboramos trabalhos acadêmicos. Isso é uma atividade ILEGAL.

Valores e serviços 

1 – Formatação (conforme a ABNT, APA, Vancouver ou manual desejado): 3,00 reais a lauda. Inclui formatação conforme as Normas da ABNT ou manual desejado;

2 – Revisão Ortográfica e Gramatical: 5,00 reais a lauda. Inclui revisão ortográfica conforme o Novo Acordo Ortográfico, observação de aspectos de concordância/regência nominal e verbal, crase, pontuação e outros aspectos gramaticais relativos à linguagem do gênero textual proposto;

3 –  Revisão Ortográfica e Gramatical  + formatação (ABNT ou manual desejado): 7,00 reais a lauda.  Inclui revisão 2 + formatação (ABNT/outros);

4 – Revisão Crítica: 10,00 reais a lauda. Inclui revisão 2 (Revisão Ortográfica e Gramatical), além de sugestões estilísticas, *reescrita/sugestão de reescrita de parágrafos mal elaborados, adequação vocabular, progressão textual e aspectos de coesão e coerência. Essa revisão também inclui sugestões e dicas em relação ao gênero textual proposto.

5 – revisão crítica + formatação (conforme ABNT ou manual desejado): 12,00 reais a lauda.  Inclui revisão 4 e contempla algumas questões relativas à padronização de seu texto que não são estabelecidas, por exemplo, pelas normas da ABNT (ou pela maioria dos manuais universitários) e por manuais gramaticais ou ortográficos, como é o caso de uniformização de siglas, uniformização de pontuação ao final de enumeração, uniformização de iniciais minúsculas ou maiúsculas, uniformização de extensão de parágrafos, enfim, questões relacionadas à lógica organizacional do próprio texto e de seus elementos.

6 – revisão de redação: 40 reais por página. Corrigimos a sua redação conforme padrão de correção do ENEM, UnB ou universidade desejada. O serviço inclui revisão ortográfica e gramatical, contemplando os seguintes aspectos: novo acordo ortográfico, observação de adequação vocabular, comandos da proposta de redação, adequação vocabular, coesão e coerência, observação a respeito de regras de pontuação, uso de crase, regência verbal e nominal, e concordância verbal e nominal. O serviço também inclui crítica em relação ao conteúdo do texto (feitas por meio de caixas de comentários), bem como adequação da linguagem ao gênero textual proposto. Para cada redação revisada, poderá ser encaminhada, gratuitamente, uma nova versão reescrita desse texto com base nas considerações propostas pelo revisor.

7 – revisão de anúncios publicitários: 100,00 reais por anúncio. O serviço inclui avaliação crítica a respeito da lógica organizacional do anúncio: estética, significação de cores, coesão e coerência, articulação entre linguagem verbal e não verbal, adequação de linguagem verbal e não verbal ao público-alvo. Também serão analisados os sentidos revelados pelo anúncio. Além das indicações de correção no próprio anúncio, o cliente receberá um relatório crítico contemplando todos os aspectos de análise.

Obs: 1 lauda = 1.300 caracteres

* Em virtude do conteúdo do texto, alguns períodos terão de ser reescritos pelo próprio autor.

Em arquivo Word, as alterações serão marcadas por meio da ferramenta REVISÃO. Em alguns casos, haverá sugestões em caixas de comentários do documento, que precisam de mediadas pelo escritor. Após a finalização de nosso serviço, basta ACEITAR ou RECUSAR as alterações realizadas(em caso de dúvidas, nós iremos auxiliá-lo(a), nesse processo).

Esse processo é importante para que você visualize as alterações feitas em seu texto para compará-las, se desejar, com o seu texto original.

Em arquivo Pdf, há apenas sugestões de reescrita em caixas de comentário.

Se você desejar personalizar essa etapa, envie-nos a sua sugestão e as marcações da revisão serão adequadas às suas necessidades. Caso seja solicitado, também oferecemos pacotes de revisão personalizados. Envie-nos um e-mail para solicitar um orçamento.

O seu texto será lido por dois revisores, o que garante maior eficácia à revisão.

ATENÇÃO: NÃO oferecemos “revisões infinitas”. Cada revisão custa um valor. Consideramos revisão de texto como um processo e não como um resultado absoluto, quantitativo e positivista. Não compartilho do pensamento de alguns que consideram-me como um MESSIAS de seus textos mal escritos, um Zaratustra vernáculo cimarrón que faz “milagres textuais”. O texto, antes de qualquer revisão, é produto da subjetividade humana e a linguagem de cada texto depende do gênero textual proposto.

Orçamento

Após abrir o seu documento, clique na última página, pois, às vezes, o word não faz a contagem corretamente dos caracteres.

Para conferir a quantidade de caracteres de seu documento, clique, na barra de documento do Word, em “palavras” (Em caso de documento PDF/outros, envie-nos um e-mail: andersonhander@gmail.com).

Sem título

Em seguida, será aberta a seguinte caixa de diálogo:

Sem título

Divida a quantidade de caracteres com espaços por 1.300 (1 lauda = 1.300 caracteres) e multiplique o valor obtido pelo valor da revisão desejada: esse será o valor final.

Se desejar, envie-nos o seu documento e faremos o seu orçamento.

Formas de pagamento

À vista ou em até 12 vezes no cartão de crédito (visa/mastercard).

Prazos de entrega 

Os nossos prazos são variáveis, mas, em média, para cada 100 laudas, solicitamos prazo mínimo de 4 dias.

ATENÇÃO, se você necessita de prazos inferiores aos que informamos, cobramos adicional de 1,50 por lauda sobre o serviço, se pudermos atendê-lo(a).

https://www.facebook.com/profile.php?id=100006847726138

Telefones: Fixo (61) 30369342 –  (61) 91236091 (Whatsapp).

E-mail: andersonhander@gmail.com ou servicos@criteriorevisao.com.br

Aguardamos o seu contato.

Share on Facebook

Concurso Nacional Novos Poetas 2016

Concurso Nacional Novos Poetas. Prêmio Sarau Brasil 2016.

Estão abertas as inscrições para o Concurso Nacional Novos Poetas, Prêmio Sarau Brasil 2016.

Podem participar do concurso todos os brasileiros natos ou naturalizados, maiores de 16 anos.

Cada candidato pode inscrever-se com até dois poemas de sua autoria, com texto em língua portuguesa.

O tema é livre, assim como o gênero lírico escolhido. Serão 250 poemas classificados.

A classificação dos poemas resultará no livro, Prêmio Sarau Brasil 2016. Antologia Poética.

Concurso Literário e uma importante iniciativa de produção e distribuição cultural,

alcançando o grande público, escolas e faculdades.

Inscrições gratuitas

De 20 de fevereiro a 05 de junho de 2016 pelo site: www.concursonovospoetas.com.br

Realização: Vivara Editora Nacional

Apoio Cultural: Revista Universidade

Share on Facebook

Chuchu ou cereja?

Chuchu ou cereja?

cereja vagabunda

Sempre desconfiei daquelas cerejas vermelhas de padarias, pois elas tinha gosto de jujuba. Estava certo, um dia, descobri que, na verdade, elas não eram cerejas de verdade, mas chuchu. Sim, cereja por fora e chuchu por dentro. E isso não é teoria da conspiração, é um fato. Cerejas “vagabundas”, com preços acessível, que enganam, facilmente, por ai.

Sabia dessa prática no Brasil, pensava que era coisa de brasileiro. Até chegar em Portugal e encontrar em uma prateleira de um supermercado cerejas verdes! Eu fiquei tão impressionado (de fato, alguns produtos só encontro na Europa, praticamente, como suco de maçã-verde).

Abri o vidro da cereja, muito empolgado para sentir o sabor da fruta, quando, me vem ao paladar aquele típico gosto de cereja, digo, de chuchu fantasiado de cereja vagabunda, de padaria. Paguei um euro, ainda pensei que saí na vantagem. Mas o gosto era incomparável, é muito fácil perceber a diferença de uma cereja de verdade e de uma cereja de chuchu. Essas cerejas eram apenas chuchus em uma calda doce (nossa) sem corante vermelho. O pior é que nem colocam essência de cereja para ficar parecido, a impressão realmente é a de comer doce de chuchu (não tem gosto de nada a não ser de açúcar :S).

Share on Facebook

Algumas diferenças entre Português de Portugal e Português do Brasil

Algumas diferenças entre Português de Portugal e Português do Brasil

Algumas diferenças entre Português de Portugal e Português do Brasil

Quando decidi viver em Portugal, comecei a perceber várias diferenças entre a nossa língua e a língua de Camões. Por algum tempo, pensava que falávamos a mesma Língua. Alguns próprios portugueses insistiram em dizer isso para mim de uma maneira muito cordial, mesmo, em vários momentos, eu não entendendo algumas partes dos discursos deles. Não posso negar, entretanto, que não tive muitas dificuldades para me comunicar em Portugal. Mas, em virtude da diferença de sotaque, do uso de expressões e vocábulos não utilizados por nós, bem como de ter ouvido formações sintáticas que parecem ser formuladas por um estrangeiro e não por um nativo brasileiro, tenho certeza de que não falamos a mesma língua.

Ouvi os portugueses utilizando bastante o termo “fixe”, o que me fez lembrar do inglês, to fix (quando vi a primeira ocorrência por escrito, em uma conversa de Whatsapp). Cheguei a me recordar de uma música do Coldplay, Fix you, quando ouvi esse vocábulo, ahahha, mas não havia relação alguma. Depois de um tempo, percebi que esse termo significa “legal”.

Quando algo não dá certo, é comum que eles digam “fogo”. Isso não é tão diferente do Brasil. Lembro-me de ter ouvido várias vezes no Brasil esse termo para contextos similares, mas, em vez de dizerem fogo, simplesmente, os brasileiros utilizavam um verbo junto ao vocábulo: “é fogo…”

Bem, são tantas diferenças… embora se trate de variação, que posso dizer, com certeza, é que não falamos a mesma língua, embora a nossa comunicação seja possível, em algum nível.

Share on Facebook

Realismo brasileiro

  • MEMÓRIAS DE UM LETRISTA: REALISMO BRASILEIRO
    Considerando a dialética entre forma literária e processo social, discuta a seguinte questão formada por Roberto Schwarz: ” e por que não pode ser brasileira a forma do realismo europeu”?
    Essa reflexão já aparece em algumas obras de Machado de Assis, como a dificuldade de identificação do tema, por exemplo, em Esaú e Jacó. Essa problemática surge em oposição ao movimento realista europeu, em que as temáticas eram mais transparentes. De acordo com Schwarz, há uma ambiguidade para com o “modelo realista” machadiano. Nos primeiros romances, Machado trata do patriarcalismo conservador, que, embora ilustre uma característica da sociedade brasileira, parece ser muito específico diante das transformações que o Brasil passava no século XIX e do sistema econômico vigente.
    Esse patriarcalismo, inclusive, pode ser observado no próprio narrador; “um defunto
    narrador”; o narrador de Machado nesse aspecto é arbitrário. Esse retrato parece destoar e estar atrasado em relação à realidade brasileira da época. É mais condizente com nossas relações sociais ainda muito ditadas pelo peso do trabalho escravo. Esse afastamento tem como intuito a aproximação de sua literatura à tradição europeia do romance. “Havia uma intenção realista neste antirrealismo conservador “. Para Machado, não faz sentido falar da estrutura econômica atual, das desigualdades e da miséria como temas centrais de uma sociedade ainda presa à estrutura patriarcalista da escravidão. Embora essa forma do realismo de Machado não tenha sido “original”, embora sua inspiração também seja europeia para com esse “modelo de realismo brasileiro”, cabe uma reflexão aqui entre o universal e o particular. É na base da forma europeia anterior ao realismo europeu vigente que Machado conduz o realismo brasileiro.
    A forma do realismo europeu não pode ser brasileira na medida em que, embora não seja sincrônica ao realismo europeu, retoma uma forma europeia do século XVIII e baseia-se na forma de autores europeus como Machado baseou-se em Diderot. É brasileira, no entanto, quando Machado busca no texto europeu construir o nosso sistema social, e não europeu. Embora o contexto seja diverso para o atual realismo europeu, ele encontra a forma do realismo brasileiro, o que lhe é particular. Estamos diante dos elementos universais europeus, particulares à realidade brasileira. Em “Memórias Póstumas de Brás Cubas” fica claro que a descontinuidade cronológica, ali presente, reflete o nosso processo social. Essa falta de lógica na continuidade cronológica do romance é, na verdade, lógica; representa muito de nossa literatura, de nossa história e de nosso processo de formação social em contraposição ao que ocorria na Europa, onde a história pode ser melhor divida e o nacionalismo é mais carregado, onde a identidade nacional não é tão recente e não traz questões duvidosas.
Share on Facebook

Pesquisa qualitativa versus quantitativa: introdução

Pesquisa qualitativa versus quantitativa: introdução

Pesquisa qualitativa versus quantitativa: introdução

https://www.youtube.com/watch?v=00lrIVhnGmE&feature=youtu.be

Fiz esse vídeo para dialogar com os meus leitores sobre algumas noções introdutórias em relação à pesquisa qualitativa versus quantitativa. É um vídeo para aqueles que não entendem muito sobre essas abordagens, que estão, por exemplo, aplicando para algum processo seletivo de mestrado ou para os iniciantes na vida acadêmica.

Ambas as abordagens dependem do recorte temático de pesquisa, bem como da postura do pesquisador e da maneira pela qual este concebe o seu objeto de estudo. Ambas as abordagens podem ser utilizadas, mas será necessário muito cuidado para que o estudo não se anule, é preciso mensrurar muito bem as duas abordagens e compreender o momento adequado de aplicação de uma ou outra.

Vale refletir acerca das limitações de ambas essas abordagens e verificar qual delas se aplica melhor ao seu objeto de estudo. Lembre-se de que a abordagem qualitativa se alinha a estudos mais subjetivos, não se preocupa com generalizações ou em revelar quantidades, diferentemente da pesquisa quantitativa.

Share on Facebook