Dissertação – redação

Texto dissertativo-argumentativo

Obs: refiro-me, neste post, ao texto dissertativo-argumentativo.

Passei no vestibular da Universidade de Brasília (UnB) com nota 9,6 na redação, sou revisor de textos há cinco anos e lecionei, durante 10 anos, as disciplinas de redação e gramática. Além disso, participei do curso de formação de corretores do ENEM, em 2013. Pela minha experiência, percebo que não há “fórmula mágica” para aprovação no exame de redação de vestibulares ou do Enem. Esse não é o caso de “mágica”, mas de técnica e de muita disciplina. Seguem algumas dicas:

1. Atenção aos critérios avaliativos de cada instituição. Não há uma fórmula universal para que qualquer um obtenha boa nota em exames de vestibular. O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), por exemplo, possui algumas especificidades diferenciadas em relação a outras universidades, como é o caso da Universidade de Brasília (UnB). Estude o edital e procure ter acesso a fichas anteriores de correção, para saber exatamente os critérios de avaliação.

2. Atenha-se aos comandos da proposta de redação. Seja dissertação ou não, você deve se ater ao que o examinador solicita. Se ele solicitar título, você, necessariamente, deverá utilizá-lo. Se houver alguma recomendação a respeito de construção de metáforas no texto, utilização de determinado vocábulo ou de qualquer outra minúcia, você, necessariamente, também, deverá seguir esses comandos, certo?

3. Apresente a sua tese na introdução. O texto dissertativo-argumentativo estrutura-se, basicamente, em introdução, desenvolvimento e conclusão. Essa sequência permite maior lógica ao texto. Apresente na sua introdução uma tese para ser defendida. A tese é uma sentença que norteará todo o seu texto. Todos os argumentos e considerações finais devem estar relacionados a essa declaração inicial.

4. Problematize a sua tese. Essa etapa permite orientar a sua reflexão, durante o desenvolvimento, bem como a conclusão. Algumas exames, como o Enem, exigem que o candidato apresente uma solução ao problema nas considerações finais (conclusão). Em outros exames, é possível, também, retomar a tese nas considerações finais.

Dissertação

5. Atenção ao recorte temático. Alguns exames já trazem o tema “mastigado” e recortado para o candidato. Às vezes, o tema permanece mais abrangente. É preciso tomar muito cuidado nessa etapa, para que você não fuja ao tema. Além disso, compreenda que se você especificar demais o tema, você precisará ter conhecimento sobre ele, se abrangê-lo demais, o seu texto poderá perder o foco.

6. Cuidado com a sua opinião, mesmo que o comando afirme “dê a sua opinião”. Meus alunos tinham muita dificuldade para compreender isso. Vale ressaltar que a dissertação funciona como um teste psicotécnico para eliminar candidatos despreparados e é o texto que mais se aproxima, na escola, aos gêneros que são cobrados na universidade (os gêneros acadêmicos: artigo científico, dissertação de mestrado, tese de doutorado…).

(Lembre-se de que os gêneros acadêmicos são escritos por cientistas, pesquisadores. Imagine-se, durante a realização de sua dissertação, grosso modo, nessa mesma situação. Pelo menos é melhor pensar isso do que acreditar que você é Machado de Assis ou qualquer outro poeta, o que pode fazê-lo(a) pensar que é necessário ter inspiração para escrever. Nesse caso, escrever depende de técnica.)

 Platão dizia que a opinião é o intermédio entre o ser e o não ser. Nesse sentido, ela não tem muito valor. Você não deverá escrever os seus achismos em sua dissertação ou expressar os seus preconceitos ou as suas angústias e revoltas.

O texto dissertativo é mais objetivo. Por essa razão, inclusive, ele deve ser redigido em terceira pessoa do singular/ plural ou de maneira a indeterminar o sujeito (voz passiva, utilizando-se índice de indeterminação do sujeito, verbos no infinitivo). Também é aceito, como já mencionei, o uso de primeira pessoa do plural (nós). Lembre-se, no entanto, de que hoje há um paradigma científico que permite que textos acadêmicos, especialmente em cursos de humanas, sejam redigidos em primeira pessoa do singular (eu), em razão de correntes críticas que buscam desconstruir a noção de neutralidade científica, mas você, vestibulando, reles mortal, ainda não tem autonomia para isso rsrs.

Você deverá utilizar argumentos concisos, coerentes, que respeitem os direitos humanos (como é o caso do ENEM). Se você, por exemplo, for uma pessoa preconceituosa, e o examinador “pedir a sua opinião”, não seja ingênuo, acreditando que ele quer, de fato, saber de seus preconceitos. Cuidado com temas polêmicos e lembre-se de que vivemos, ou deveríamos viver, em uma democracia.

7. Cuidado com argumentação religiosa. No caso de temas polêmicos, evite utilizar a sua experiência religiosa para argumentar. O exame de vestibular não é o momento para expressão de sua opinião, individualidade ou fé. O examinador quer saber se você tem perfil de pesquisador, se você é criativo(a), se o seu processo de escolarização cumpriu o papel que deveria ter cumprido, se você sabe “reproduzir” o que aprendeu na escola, nas aulas de filosofia, biologia, sociologia e não se você acredita (ou não) em Deus.

8. Utilize linguagem formal em sua dissertação. Algumas instituições aceitam “oscilação” em relação a esse nível de formalidade. De qualquer maneira, vale demonstrar ao examinador o domínio de linguagem formal. Em outros gêneros, é possível que o examinador solicite uso de linguagem informal, como é ocaso do gênero diário.

(Escrever informalmente não significa escrever de maneira caótica. A linguagem informal aproxima-se da linguagem falada cotidiana, do dia a dia, não aquela utilizada entre amigos, com gírias excessivas, mas linguagem mais natural, sem preocupação excessiva com forma. Nesse caso, você não terá de se preocupar tanto com regência, como por exemplo: “fui no banheiro” e não “fui ao banheiro”. Essa liberdade não se refere ao uso inadequado de pontuação ou de ortografia).

Não utilize, em nenhum gênero textual, de maneira alguma, linguagem de baixo calão: palavrão, por exemplo. Isso poderá reprová-lo(a). Evite o uso excessivo de artigos indefinidos (um, uma) e o verbo ser (muitas vezes esvaziado de sentido). Outras alteranativas ao verbo ser: “constitui, refere-se, revela, consiste em…”).

9. Revise a sua dissertação. Após finalizar o seu texto, revise-o. Leia-o novamente, para, posteriormente, entregar a “versão final”. O texto é um processo, não é possível, em apenas um momento, escrever um bom texto. Grandes escritores, poetas e estudiosos escrevem várias e várias vezes o mesmo parágrafo. Além disso, eles encaminham os seus textos a revisores. Isso ocorre, pois o nosso olhar pode, inconscientemente, encobrir as nossas incoerências.

10. Cite autores. Embase a sua argumentação em outros autores, isso revela o texto como um processo de (des)construção do conhecimento.

11. Não seja clichê. Seja original. Não espere tirar nota máxima em uma redação com argumentação vazia e clichê. Evite discussões de “boteco” em seu texto. Isso significa quea sua redação perpassa todas as esferas do conhecimento, uma vez que há relação dialética entre o texto e a todas as esferas da sociedade, bem como à temporalidade e cultura de determinado grupo social.

12. Escreve bem aquele que ESCREVE. Pessoal, escrever demanda prática. E não necessariamente leitura. Não há uma relação entre escrita e leitura, isso é um mito. Quem lê muito adquire conhecimento (ou não rsrs), mas isso não implica um processo de “osmose” para formar bons escritores como insistem pais e alguns professores. Na verdade, escreve bem quem tem prática de escrever determinado gênero textual, ou seja, você pode vencer pela prática. Se você treina bastante o gênero dissertação, não espere ser um excelente escritor de gêneros literários ou de um diário, por exemplo. Cada gênero demanda determinada linguagem, estrutura e organização.

13. Atenha-se à forma e ao conteúdo. Você pode até saber estruturar uma boa dissertação, mas se você não tiver conhecimento sobre o tema proposto para dissertar, não adianta nada. É nesse sentido que a leitura é importante e, especialmente, o estudo de disciplinas da área de humanas, pois grande parte da argumentação para defender uma ideia pode ser fundamentada nos grandes teóricos da filosofia, sociologia, linguística etc.

14. Não “invente a roda”. Por favor, tenha foco e seja objetivo. Cuidado para não cair na lista das “pérolas do vestibular”. Escrever, nesse caso, exige técnica e não inspiração. Alguns podem até conseguir ser mais criativos do que outros. De qualquer maneira, seja objetivo, evite jogos de linguagem, evite ser poético.

15. Mantenha, por uma questão lógica, quantidade de linhas aproximadas em cada parágrafo. Evite escrever, por exemplo, 5 linhas para a introdução e 1 linha para a consideração final (conclusão).

16. Cuidado com dados estatísticos sobre os quais você não tem suporte para argumentar. Evite generalizações infundadas, mesmo que elas pareçam óbvias para você ou para a sociedade. Por exemplo, percebo que alunos têm utilizado a seguinte argumentação em dissertações: “a condição social do brasileiro tem piorado, além disso, o nível de desemprego aumentou”. Para sustentar essa argumentação, seria necessário citar alguma fonte, como IBGE, e, de fato, verificar se o nosso quadro atual é esse. Também é importante especificar o ano em relação a essa argumentação. O número de desempregados pode ter aumentado (ou diminuído) em relação a determinado ano, ou década.

Obs: ofereço serviço de correção de redação estilo ENEM, UnB ou conforme o padrão de correção da universidade que você tanto sonha entrar.

Cobro 40 reais por redação corrigida e ofereço, gratuitamente, no caso de reescrita do primeiro texto enviado, mais uma correção. O prazo de entrega, para cada redação enviada, é de 2 dias úteis.

Você poderá efetuar o pagamento por meio do site pagseguro (cartão de crédito).

Envie o seu texto, juntamente à proposta de redação, para servicos@criteriorevisao.com.br

Se você tem dificuldade em redação, esqueça as aulas teóricas de cursinho, comece a praticar. “Escreve bem aquele que escreve”! Escreva, pelo menos, uma redação por semana. E tenha a oportunidade de ter o seu texto corrigido por alguém muito qualificado. Veja o meu currículo:

 http://criteriorevisao.com.br/andersonhanderrevisordetextos/

Muito sucesso a todos!

Procura por material de estudo de qualidade? Gramáticas, guias para aprovação no vestibular, obras literárias e outros? Conheça a minha loja virtual (Clique aqui) e encontre as melhores promoções (https://www.magazinevoce.com.br/magazinehanderstore).

Algumas sugestões:

A matemática do ENEM

Matemática no vestibular

Compartilhem, por favor, esse texto com os seus colegas.

Share on Facebook

14 ideias sobre “Dissertação – redação

  1. Adorei suas dicas Anderson!
    Eu poderia te enviar redações de treinamento para você me ajudar a corrigir e aperfeiçoar minhas técnicas ?
    Me mande um correio eletrônico para eu saber qual seu e-mail rsrs. :)

  2. Olá, obrigado pelas dicas, eu tenho uma duvida, você explicou sobre as generalizações de pesquisa, é correto eu citar um resultado de uma pesquisa no enem, por exemplo “o estudo do IBGE do ano de 2010 diz …”?

    • Olá Kevin. Seja bem-vindo!
      Se a fonte a respeito do IBGE estiver correta, não há problema ao citá-la. Na verdade, isso é bom. Sugiro que você escreva da seguinte maneira: “Segundo estudo do IBGE (especificar sigla), relativo ao ano de 2010, o Brasil…”. Na verdade, o resultado dessa pesquisa poderá ajudá-lo a sustentar a sua argumentação/tese. Da mesma maneira, você poderá citar indiretamente, e até diretamente, se conseguir, autores. Lembre-se de que a dissertação é um gênero, em relação à escola, próximo aos gêneros acadêmicos (na unversidade). E, no caso dos gêneros acadêmicos, a argumentação deve ser sustentada com base em um referencial teórico (ou seja, pesquisadores, especialistas sobre determinado assunto). Entendeu?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *