Gênero textual diário

É um desafio compreender esse gênero textual hoje. Especialmente se muitos alunos não escrevem-no. Para os meninos, o assunto é um tabu, já que diário, segundo eles, “é coisa de menina”. Proponho nesse tópico algumas discussões interessantes relativas a esse gênero textual.

Características:

– Primeira pessoa;

– Marca de subjetividade;

– Linguagem mais informal;

Sugestão: não é uma regra o uso do vocativo “querido diário” ou simplesmente “diário” nesse gênero textual. Você pode ser mais direto e simplesmente dizer: “hoje acordei e percebi que…”. Muita atenção, no entanto, para o “diário” não tornar-se uma dissertação.

Gênero Textual Diário

OBS: acredito que em provas e exames, embora esse gênero seja bastante subjetivo, é necessário tomar cuidado com a sua opinião. Seja criativo, expresse em seu DIÁrio fatos relacionados ao seu cotidiano, no entanto, tome cuidado com a maneira pela qual deteminados assuntos serão tratados. Seja crítico e reflita sobre o tema abordado no diário. Não fundamente as suas ideias apenas em seu ACHISMO. Tenho certeza de que o examinador/professor não quer saber diretamente de sua “OPINIÃO”, especialmente, se for solicitado que você problematize um determinado tema em seu diário.

O diário é um gênero textual subjetivo, utilizado para as pessoas expressarem as suas emoções e sentimentos (CUIDADO, no entanto, MAIS UMA VEZ, com essa característica. Evite xingamentos, palavrões e opiniões infundadas. Faça isso em seu diário pessoal, mas não em um exame). O diário é um confessor, uma válvula de escape, constitui-se a partir de fluxo de pensamento do escritor/autor. Hoje alguns outros gêneros possuem o papel de diário, como é o caso do blog e até mesmo de alguns videos postados no youtube.

Sugiro dois filmes/livros interessantes para problematizar o gênero e compreeder a sua importância: “Diário de um banana” e “Diário de Anne Frank”.

O diário de Anne Frank traz, a partir de uma perspectiva subjetiva, reflexões acerca do conturbado período da segunda guerra mundial vivido por Anne Frank.

annehollywood

Abaixo seguem trechos do diário de Anne Frank:

12 de junho de 1942

Espero poder contar tudo a você, como nunca pude contar a ninguém, e espero que você seja uma grande fonte de conforto e ajuda.

Comentário acrescentado por Anne em 28 de setembro de 1942

Até agora você tem sido um grande apoio para mim, como também tem sido Kitty, para quem tenho escrito com regularidade. Esse modo de manter um diário é bem melhor, e agora mal posso esperar os momentos de escrever em você. Ah, estou tão feliz por ter você comigo!

Domingo, 14 de junho de 1942

Vou começar a partir do momento em que ganhei você, quando o vi na mesa, no meio dos meus outros presentes de aniversário. (Eu estava junto quando você foi comprado, e com isso eu não contava.)

Na sexta-feira, 12 de junho, acordei às seis horas, o que não é de espantar; afinal, era meu aniversário. Mas não me deixam levantar a essa hora; por isso, tive de controlar minha curiosidade até quinze para as sete. Quando não dava mais para esperar, fui até a sala de jantar, onde Moortje (a gata) me deu as boas-vindas, esfregando-se em minhas pernas.

Pouco depois das sete horas, fui ver papai e mamãe e, depois, fui à sala abrir meus presentes, evocê foi o primeiro que vi, talvez um dos meus melhores presentes. Depois, em cima da mesa, havia um buquê de rosas, algumas peônias e um vaso de planta. De papai e mamãe ganhei uma blusa azul, um jogo, uma garrafa de suco de uva, que, na minha cabeça, deve ter gosto parecido com o do vinho (afinal de contas, o vinho é feito de uvas), um quebra-cabeça, um pote de creme para o corpo, 2,50 florins e um vale para dois livros. Também ganhei outro livro, Câmera obscura (mas Margot já tem, por isso troquei o meu por outro), um prato de biscoitos caseiros (feitos por mim, claro, já que me tornei especialista em biscoitos), montes de doces e uma torta de morangos, de mamãe. E uma carta da vó, que chegou na hora certa, mas, claro, isso foi só uma coincidência.

Depois, Hanneli veio me pegar, e fomos para a escola. Na hora do recreio, distribuí biscoitos para os meus colegas e professores e, logo depois, estava na hora de voltar aos estudos. Só cheguei em casa às cinco horas, pois fui à ginástica com o resto da turma. (Não me deixam participar, porque meus ombros e meus quadris tendem a se deslocar.) Como era meu aniversário, pude decidir o que meus colegas jogariam, e escolhi vôlei. Depois, todos fizeram uma roda em volta de mim, dançaram e cantaram “Parabéns pra você”. Quando cheguei em casa, Sanne Ledermann já estava lá. Ilse Wagner, Hanneli Goslar e Jacqueline van Maarsen vieram comigo depois da ginástica, pois somos da mesma turma. Hanneli e Sanne eram minhas melhores amigas. As pessoas que nos viam juntas costumavam dizer: “Lá vão Anne, Hanne e Sanne.” Só fui conhecer Jacqueline van Maarsen quando comecei a estudar no Liceu Israelita, e agora ela é minha melhor amiga. Ilse é a melhor amiga de Hanneli, e Sanne é de outra escola e tem amigos lá.

Elas me deram um livro lindo, Nederlandse Sagen en Legenden [Dutch Sagas and Legends], mas por engano deram o volume II, por isso troquei dois outros livros pelo volume I. Tia Helene me trouxe um quebra-cabeça, tia Stephanie, um broche encantador, e tia Leny, um livro fantástico:Daisy’s bergvakantie [Daisy Goes to the Mountain].

Hoje de manhã, fiquei na banheira pensando em como seria maravilhoso se eu tivesse um cachorro como Rin Tin Tin. Eu também iria chamá-lo de Rin Tin Tin e o levaria para a escola; lá, ele poderia ficar na sala do zelador ou perto dos bicicletários, quando o tempo estivesse bom.

Segunda-feira, 15 de junho de 1942

Minha festa de aniversário foi no domingo à tarde. O filme de Rin Tin Tin fez o maior sucesso entre minhas colegas de escola. Ganhei dois broches, um marcador de livros e dois livros.

Vou começar dizendo algumas coisas sobre minha escola e minha turma, a começar pelos alunos.

Betty Bloemendaal parece meio pobre, e acho que talvez ela seja. Ela mora numa rua que não é muito conhecida, no lado oeste de Amsterdã, e nenhuma de nós sabe onde fica. Ela se dá muito bem na escola, mas é porque estuda muito, e não porque seja inteligente. É muito quieta.

Jacqueline van Maarsen é, talvez, minha melhor amiga, mas nunca tive uma amiga de verdade. No começo, achei que Jacque seria uma, mas estava redondamente enganada.

D.Q.* é uma garota muito nervosa que sempre esquece as coisas, de modo que os professores vivem passando dever de casa extra para ela, como castigo. É muito gentil, especialmente com G.Z.

E.S. fala muito e não é engraçada. Vive mexendo no cabelo da gente ou tocando em nossos botões quando pergunta alguma coisa. Dizem que ela não me suporta, mas não ligo, porque também não gosto muito dela.

Henny Mets é uma garota legal, tem um jeito alegre, só que fala em voz alta e parece mesmo uma criança quando estamos brincando no pátio. Infelizmente, Henny tem uma amiga que se chama Beppy que é má influência para ela, porque é suja e vulgar.

J.R. – eu poderia escrever um livro inteiro sobre ela. J. é uma fofoqueira insuportável, sonsa, presunçosa e de duas caras, que se acha muito adulta. Ela realmente enfeitiçou Jacque, e isso é uma vergonha. J. se ofende à toa, chora pela menor coisa e, além disso tudo, é metida demais. A Srta. J. é a dona da verdade. Ela é muito rica e tem um armário repleto de vestidos maravilhosos, que são adultos demais para a sua idade. Ela se acha linda, mas não é. J. e eu não nos suportamos.

Abaixo segue link para download do Diário de Anne Frank:

O_Dirio_de_Anne_Frank

Quem se interessar pelo filme, segue o link legendado no youtube:

——————————————————————————————————————–

Trecho de Diário de um banana:

diário de um banana

Vale a pena ler essa obra para compreender melhor a estrutura desse gênero.

Sucesso a todos.

Share on Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *