5 dicas para quem quer escrever um livro

5 DICAS PARA QUEM QUER ESCREVER UM LIVRO

1. Elabore um sumário prévio dos capítulos ou seções

Organizar um livro conforme capítulos ou seções é importante, o que permite facilitar o processo de leitura para o interlocutor. Para que o conteúdo do livro seja bem organizado, seguir essa orientação é fundamental.

Mesmo que o seu livro, no caso de literatura, não siga uma “lógica” temporal ou cronológica, esse processo de organização permite delimitar o que deverá ser realizado, evitando divagações.

Mesmo que o sumário que você elabore não seja definitivo, vale a pena fazer um esboço, que constitui a materialização desse processo lógico de organização.

2. Não se preocupe tanto, inicialmente, com forma

Algumas pessoas conseguem, ao escrever, adequar forma e substância. A forma refere-se a questões gramaticais, estilísticas, ortográficas e de pontuação. A substância, por sua vez, refere-se ao conteúdo do texto. O nosso pensamento é repleto de incoerências.
Quanto mais treinamos o nosso cérebro para evitar essas “falhas”, maior eficácia teremos nesse processo. Mas, de qualquer maneira, em relação a textos, esse processo jamais será absoluto, sejam estes redigidos por um doutores ou mesmo grandes escritores.

Todo texto precisa ser revisado e é um processo sempre inacabado. Portanto, primeiramente, é mais importante escrever e, posteriormente, lapidar o que foi escrito. Não interprete ao “pé da letra” esses dizeres. Não quero dizer que se deve fazer um esboço caótico do texto, ou que não se deva policiar para alguns deslizes. Na verdade, essa dica articula-se bastante à próxima seção, pois muitos deixam de escrever porque gostariam de, em um primeiro momento, obter resultados absolutos e ditos “perfeito”; isso seria possível?

3. “Feito” é melhor do que “perfeito (ou melhor, não feito)”

Não se deve interpretar essa afirmação e banalizá-la com a justificativa de que feito equivale a “qualquer coisa” ou a “mal feito”. Definitivamente, não é isso que quero dizer. No entanto, algumas pessoas se cobram muito e acabam deixando de realizar algo em virtude de ter um senso autocrítico muito severo consigo mesmas. Como o texto é um processo, é importante saber que ele não será NUNCA absoluto e perfeito. O que é possível fazer é lapidá-lo, mas isso exige vários processos. Não pense, também, por outro lado, que quero dizer que é preciso de um trabalho imensurável que seria impossível de ser finalizado.

Às vezes, algumas questões em um livro devem ser deixadas para outra etapa, para uma segunda edição. Deve-se, em algum momento, “parar” esse processo.

4. Distribua a sua produção

Não pense que o seu livro será redigido em, apenas, um dia, mesmo que isso gere ansiedade imensa. Escrever um livro é um processo. Comprometa-se a redigir um número específico de páginas por dia (ou por semana). E se sinta feliz se tiver produzindo, por exemplo, 1 página por dia. Ao final de um mês, você terá 30 páginas redigidas.

5. Encaminhe o seu texto a um revisor

Após finalizar o processo de redação do livro, encaminhe-o a um Revisor e, também, a outros leitores, para que você consiga lapidá-lo.

Share on Facebook

Como elaborar um esquema?

Como organizar em forma de esquema as principais informações de um texto?

O esquema é uma ferramenta de estudo muito eficaz. O importante na elaboração de um esquema é que ele deve ser lógico e auxiliar o processo de organização do pensamento. A diferença entre um esquema e um resumo é simples: um resumo é mais desenvolvido do que um esquema. O  esquema funciona como um “esqueleto” das ideias de um texto ou de um projeto. O esquema geralmente é apresentado por meio de símbolos, chaves, colchetes, retângulos… Escolha a forma gráfica para fazer o seu esquema. Atenção, no entanto, à sequência lógica de tópicos que compõem o conteúdo de um texto de acordo com os aspectos de progressão textual e de estruturação de parágrafos. É claro que um texto mal estruturado será difícil ou inviável de ser esquematizado.

Esquema

Disponível em: http://eb23cmat.prof2000.pt/sala/fazer/fazesquemas.html

Um esquema muito comum é o de subordinação. Nesse caso, a sequência lógica das ideias do texto são enumeradas.

Por exemplo:

O Brasil, embora esteja entre os sete países mais ricos do mundo, é um país de grande desigualdade socioeconômica. Essa situação ocorre devido a três fatores: X, y e Z.
(Eu inventei esse trecho para exemplificar)

Um esquema desse fragmento poderia ser expresso da seguinte maneira:

1. Brasil: País de grande desigualdade ou Brasil: Grande economia x Grande desigualdade
1.1 Grande desigualdade –> X,Y e Z

É óbvio que o item 1 refere-se à grande desigualdade econômica no Brasil. x,y e z são enumerados como 1.1, pois justificam o item 1, ou seja: Brasil: país de grande desigualdade.

O esquema é muito utilizado em slides. Ele representa as informações chaves de um texto, a sua organização lógica depende da complexidade e do nível de profundidade de cada ideia. Um texto muito longo deve ser resumido e esquematizado ao mesmo tempo, desde que o “resumo” não comprometa o objetivo do esquema. Por exemplo, se o seu objetivo é tirar 10 em uma prova, eu sugiro que você faça um resumo dos textos a serem lidos e posteriormente um esquema (isso vai depender da maneira que o conteúdo será cobrado, há casos em que a imprevisibilidade de um exame gera a necessidade de produção de um esquema mais elaborado). Se o seu objetivo é ler um texto para apresentar uma palestra ou um trabalho, você pode resumir o texto e depois esquematizá-lo, ou fazer esse processo simultaneamente.

Cada esquema depende da finalidade de estudo. O interessante é utilizar palavras chaves em um esquema e escrever o mínimo possível. As palavras chaves devem estimular o desenvolvimento de um determinado conteúdo. Não façam slides ou esquemas com muitas informações. Quando um esquema tem muitas informações ele perde a sua finalidade e torna-se um resumo. No caso de técnicas de estudo, o resumo é anterior à elaboração de um esquema. Isso porque é necessário que se desenvolva anteriormente os tópicos de um esquema para conseguir, por meio da leitura básica do esqueleto de uma ideia, desenvolvê-la. A não ser que você tenha muita facilidade em relação a um conteúdo e consiga, após poucas leituras, esquematizá-lo sem resumi-lo.

É importante observar os conectivos lógicos em um texto ao esquematizá-lo, especialmente as conjunções coordenadas ou subordinadas. No caso do fragmento supracitado, o conectivo “embora” é essencial para que se compreenda o contraste
brasileiro: país rico x país de grande desigualdade.

Faça esquemas de cada uma das principais ideias de um texto. Atenha-se em seu esquema às palavras chaves do texto original e às informações transmitidas pelo autor. Cuidado com digressões. É muito comum, ao lermos um texto, fazermos associações de o que lemos às nossas experiências de vida ou leituras anteriores. Isso pode fazer com que nós adicionamos informações a um texto, que não estejam lá. No entanto, embora isso seja proveitoso, pode comprometer o seu resumo ou esquema. E é importante deixar claro, caso se faça algum julgamento de alguma leitura, o seu posicionamento, explicitando-o para que ele não surja em seu esquema como ideia do autor.

 

Share on Facebook

Como escrever bem?

COMO ESCREVER BEM?

1. A ESCRITA NÃO É UM DOM, É UM PROCESSO

Primeiramente, para escrever bem, não é necessário estar inspirado(a). Escrever é técnica (talvez a literatura esteja no plano da inspiração), exige concentração, organização e revisão de texto. Sim, revisão de texto.  As pessoas não têm o costume de revisar os seus escritos ou de buscar um revisor de texto, o que é um grande erro. Acredito que a escrita é importante para que se organize melhor o pensamento. Especialmente porque a escrita não é um processo tão imediato quanto a fala. Escrever é um processo e, por isso, o texto NUNCA está PRONTO. Como um processo, ele está em constante transformação, seja pelas novas leituras ou novos posicionamentos de seu autor ou de seus interlocutores. Isso não significa que o texto é uma unidade abstrata, caótica ou que ele nunca deva estar ESCRITO, no entanto, significa que ele não é estático, ele é inserido em um contexto e dialoga com outros textos, outras leituras e permite outras interpretações além daquelas propostas pelo seu autor. Assim, o texto gera coautores. É por isso, iclusive, que alguns livros são editados novamente. É interessante observar esse aspecto a respeito do texto, pois ele pode ser metaforicamente relacionado à realidade e ao conceito de ciência. A realidade não é estática, não é concreta e acabada como em uma visão positivista, ela não é absoluta.

2. PARA ESCREVER BEM É IMPORTANTE “ESCREVER”
Eu já ouvi de várias pessoas que é importante ler para que se escreva bem. Eu diria que essa não é uma relação unilateral. É extremamente importante ler. Mas é muito importante que se escreva. Se não se exerce a escrita, como é possível escrever bem ou produzir um bom texto? Obviamente, escrever exige conhecimento da linguagem de cada gênero textual. Se o fundamento para afirmar que ler implica escrever melhor estiver atrelado à leitura de um livro sobre como escrever bem, dicas de escrita, para o gênero o qual pretende-se escrever, essa afirmação pode até ser válida [risos], ao menos teoricamente; na prática, esta é outra história. O que quero dizer é que a leitura é, simplesmente, a justificativa mais vazia para os mitos que leigos propagam sobre a escrita/língua. Vejo muitos pais e professores dizendo aleatoriamente aos seus filhos e alunos: “leiam, para escrever melhor”. Leiam o que? Qualquer coisa? Aprende-se a escrever lendo por “osmose”? Não quero afirmar, com essa “desconstrução” que, para ser um bom escritor, é preciso escrever “qualquer coisa”.

A escrita constitui um processo de organização do pensamento, bem como aplicação de determinadas regras a determinados gêneros. A escrita refere-se ao momento de estar atento ao texto, de rever o texto/ de reescrever e refletir acerca de o que foi escrito. No caso de alunos, isso pode ocorrer com a mediação de um professor (não sei como autodidatas realizam esse processo rsrsrs). E, mesmo assim, é possível que um pesquisador, conhecedor dos gêneros acadêmicos, não seja um bom escritor dos gêneros literários, por exemplo.

, 3. ATENÇÃO AO GÊNERO TEXTUAL E ÀS CARACTERÍSTICAS DESTE
Uma etapa importante no momento de escrever um texto é estar atento ao gênero textual proposto. Muitos estudantes sempre são penalizados nesse quesito. Eu poderia dizer, grosseiramente, que um gênero textual é um “texto” em um contexto e exige características que dependem do contexto. Por exemplo, uma carta pessoal ou um documento oficial são gêneros distintos, que referem-se a contextos distintos. O primeiro não é tão criterioso como em relação aos aspectos de formalidade do segundo. Cada gênero tem a sua característica. Cartas exigem vocativo, diferentemente de uma receita de bolo.

4. ATENÇÃO À LETRA OU À FORMATAÇÃO
Se o seu texto for digitado, sorte de quem o ler. Mas deve-se estar atento à formatação, aos espaçamentos entre os caracteres, aos parágrafos, aos recuos. Porém, se o seu texto for escrito, escreva com letra legível, atenção às marcações de parágrafo, não exagere, não escreva com espaços longos entre os caracteres, escreva até o final da linha.

5. ATENÇÃO AOS COMANDOS DA PROPOSTA DE REDAÇÃO
Em caso de provas, siga os comandos do enunciado. Em alguns concursos e provas de vestibulares, você só dará um título a sua redação caso seja solicitado. Você também não deverá assinar ou marcar a sua folha de redação.

6. TEMA
Independentemente do gênero textual, é de extrema importância conhecer o assunto sobre o qual se escreve. No caso de dissertação, é importante dominar o tema proposto. Algumas bancas examinadoras têm grande enfoque nesse quesito, pois é por meio dele que o candidato apresenta a sua visão de mundo, a sua capacidade de interdisciplinaridade e intertextualidade. Então, estudem o tema proposto. Eu diria que o conhecimento de teóricos da sociologia em geral podem auxiliar as ideias de sua dissertação, você pode citá-los e fazer uma crítica. A grande questão está no reconhecimento de que a opinião em si não possui tanto valor neste caso. Ou seja, não se escreve a partir da aleatoriedade, de achismos. Segundo Platão, a opinião é o intermédio entre o ser o não ser, ela não possui tanto valor e optar por ela pode ser a escolha para uma nota baixa.

É importante, nessa perspectiva, diferenciar opinião e crítica. Um posicionamento crítico, embasado em reflexão é muito significativo. Isso não quer dizer que você deve discordar de um determinado assunto, a crítica refere-se a seu estar no mundo, às suas interpretações sobre o mundo, as suas leituras de mundo fundamentadas em outros autores. Eu diria, para finalizar, que deve-se tomar cuidado com a crítica quando ela tende ao clichê. O clichê não é um erro, mas ele pode comprometer a originalidade e o interesse de muitos leitores em seu texto, alguns argumentos já estão “batidos” e cristalizados. Por exemplo, no caso de escrever bem, o argumento de que é preciso ler para escrever é um clichê. Além disso, considero essa afirmação vazia e carente de reflexão, pois ler não implica necessariamente uma boa escrita. O clichê será o responsável, muitas vezes, por uma nota média, mas não alta. Além disso, cuidado com argumentos religiosos, o estado brasileiro é LAICO, o conhecimento científico e a escola como parte desse processo não devem ser embasados em argumentos religiosos, deve-se prezar pelo respeito aos direitos humanos em sua argumentação, não sigam o exemplo de Marco Feliciano e Silas Malafaia.

7 . PROGRESSÃO TEXTUAL
Atenção à sequência temporal e lógica de suas ideias. Um parágrafo possui orações que precisam estar interligadas com a ideia central deste. Além disso, lembre-se de que o texto deve constituir uma unidade, o que significa dizer que os vocábulos, as orações e os parágrafos precisam ser “amarrados” ao TEXTO. Eu considero essa etapa um grande problema para muitos alunos.

8. COESÃO E COERÊNCIA
A coesão refere-se aos aspectos estruturais do texto e relaciona-se ao sentido, ou seja, à coerência. Para que haja coesão, é necessário o domínio das regras da língua, o que não significa necessariamente as regras da gramática normativa. Se o seu texto é mais informal, a coesão não será estabelecida por meio da norma formal. A coerência refere-se ao próprio conhecimento sobre o qual você escreve. Os seres humanos são extremamente incoerentes em seus discursos, às vezes brigam com os seus vizinhos e voltam a falar com eles sem justificar o ocorrido, de maneira incoerente. O seu texto não deve seguir essa característica.

9. PONTUAÇÃO, ORTOGRAFIA E ASPECTOS GRAMATICAIS
Independentemente do gênero textual, pontuação e ortografia são aspectos fundamentais a um bom texto. Em relação aos aspectos gramaticais, por outro lado, cada gênero exuge uma linguagem difernete, ou melhor, uma norma diferente. Um texto formal exige linguagem formal, um texto informal exige linguagem informal.

10. ESTILO
Deve-se estar atento ao estilo, um aspecto mais subjetivo de seu texto. Engana-se aquele que acredita naqueles manuais antigos e positivistas que diziam que um texto tem de ser objetivo. Não é possível separar a subjetividade do autor de um texto, independentemente do gênero textual ou da linguagem, ainda que você indetermine o sujeito. Na verdade, o que esses manuais talvez queiram dizer é que é preciso tomar cuidado com períodos longos e com a diferença entre opinião e crítica.  O estilo refere-se ao seu posicionamento no texto, a uma marca de subjetividade.

11. REVISÃO DE TEXTO
Muitas vezes, o nosso olhar vicia em relação às nossas próprias ações. Isso também ocorre em relação ao nosso texto. Por isso, um outro olhar é fundamental, especialmente, o olhar de especialistas nessa área. Por isso, enviem-nos os seus textos: servicos@criteriorevisao.com.br

Muito sucesso a todos.

Share on Facebook