Gramática e ensino

Gramática e ensino

Para Saussure (2006), língua é forma, e não substância. Para Benveniste (1988), língua é forma e também substância. Paralelo às discussões entre formalistas e funcionalistas na linguística, embora seja possível analisar a língua em seus aspectos sintáticos ou semânticos, é preciso esclarecer que a fonética/fonologia, a morfologia, a sintaxe, semântica, pragmática não existem isoladamente. Elas são constituintes umas das outras e todas convergem, em relação ao ensino, às práticas de letramento, embora, em aspectos de descrição/análise linguística, possam admitir análises divergentes. Assim, essa problemática situa-se além do que poderia representar apenas um conflito entre nomenclatura ou correntes de pensamento, afinal, ela surge dentro da escola. Deve-se pensar, assim, no papel da escola; o seu objetivo é primeiramente o de formar gramáticos? Não. Uma afirmação a este questionamento fere os princípios dos PCNs e é contrária, inclusive, ao termo cidadania, ao pensá-lo em função de uma educação que promova sujeitos reflexivos. Isso não significa, por outro lado, que os professores não devam ensinar a norma padrão, uma vez que essa norma é fundamental para que o falante ascenda.

__________________________________________________________________________

#Gramática e ensino

Quer aprender mais sobre Língua Portuguesa? Consulte, também, o meu outro site: www.andersonhander.wordpress.com

Conheça, também, o nosso perfil no Instagram: @escrevereviver

Share on Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *