5 dicas para quem quer escrever um livro

5 DICAS PARA QUEM QUER ESCREVER UM LIVRO

1. Elabore um sumário prévio dos capítulos ou seções

Organizar um livro conforme capítulos ou seções é importante, o que permite facilitar o processo de leitura para o interlocutor. Para que o conteúdo do livro seja bem organizado, seguir essa orientação é fundamental.

Mesmo que o seu livro, no caso de literatura, não siga uma “lógica” temporal ou cronológica, esse processo de organização permite delimitar o que deverá ser realizado, evitando divagações.

Mesmo que o sumário que você elabore não seja definitivo, vale a pena fazer um esboço, que constitui a materialização desse processo lógico de organização.

2. Não se preocupe tanto, inicialmente, com forma

Algumas pessoas conseguem, ao escrever, adequar forma e substância. A forma refere-se a questões gramaticais, estilísticas, ortográficas e de pontuação. A substância, por sua vez, refere-se ao conteúdo do texto. O nosso pensamento é repleto de incoerências.
Quanto mais treinamos o nosso cérebro para evitar essas “falhas”, maior eficácia teremos nesse processo. Mas, de qualquer maneira, em relação a textos, esse processo jamais será absoluto, sejam estes redigidos por um doutores ou mesmo grandes escritores.

Todo texto precisa ser revisado e é um processo sempre inacabado. Portanto, primeiramente, é mais importante escrever e, posteriormente, lapidar o que foi escrito. Não interprete ao “pé da letra” esses dizeres. Não quero dizer que se deve fazer um esboço caótico do texto, ou que não se deva policiar para alguns deslizes. Na verdade, essa dica articula-se bastante à próxima seção, pois muitos deixam de escrever porque gostariam de, em um primeiro momento, obter resultados absolutos e ditos “perfeito”; isso seria possível?

3. “Feito” é melhor do que “perfeito (ou melhor, não feito)”

Não se deve interpretar essa afirmação e banalizá-la com a justificativa de que feito equivale a “qualquer coisa” ou a “mal feito”. Definitivamente, não é isso que quero dizer. No entanto, algumas pessoas se cobram muito e acabam deixando de realizar algo em virtude de ter um senso autocrítico muito severo consigo mesmas. Como o texto é um processo, é importante saber que ele não será NUNCA absoluto e perfeito. O que é possível fazer é lapidá-lo, mas isso exige vários processos. Não pense, também, por outro lado, que quero dizer que é preciso de um trabalho imensurável que seria impossível de ser finalizado.

Às vezes, algumas questões em um livro devem ser deixadas para outra etapa, para uma segunda edição. Deve-se, em algum momento, “parar” esse processo.

4. Distribua a sua produção

Não pense que o seu livro será redigido em, apenas, um dia, mesmo que isso gere ansiedade imensa. Escrever um livro é um processo. Comprometa-se a redigir um número específico de páginas por dia (ou por semana). E se sinta feliz se tiver produzindo, por exemplo, 1 página por dia. Ao final de um mês, você terá 30 páginas redigidas.

5. Encaminhe o seu texto a um revisor

Após finalizar o processo de redação do livro, encaminhe-o a um Revisor e, também, a outros leitores, para que você consiga lapidá-lo.

Share on Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *