Revisão de Textos

Definimos o texto, objeto de trabalho do Revisor, como um encadeamento de palavras que forma sentido(s), expressa ideias e pensamentos, ou seja, é uma mensagem transmitida por meio de uma linguagem, seja ela verbal ou não verbal. No que diz respeito ao trabalho de revisão, tratamos do texto verbal, oral, mas principalmente escrito, que se dá por um encadeamento semântico de palavras, de frases, de enunciados que emitem uma mensagem expressa por um autor.
A Revisão Textual é um processo realizado após a criação do texto, dado pelo autor como finalizado, com o propósito de aprimorá-lo, corrigindo imperfeições referentes ao uso de regras gramaticais, de mecanismos de coesão e de coerência, de estrutura frasal e textual, de modo que a mensagem chegue com clareza ao leitor, sem que o Revisor altere o estilo original do autor. A Revisão Textual faz-se necessária a todo manuscrito que se pretende tornar público. Durante a revisão, são conferidos o uso da ortografia, a estrutura do texto, elementos de coesão e de coerência, o sentido produzido, o estilo do autor e o gênero textual em que se encaixa. No entanto, não é somente nos dias de hoje que o Revisor de textos encara o desprestígio da profissão escolhida. Ao longo dos tempos, o Revisor enfrenta a desconsideração por sua atividade por parte de estabelecimentos que trabalham com comunicação, assim como o desconhecimento do público leitor/ouvinte sobre a importância dessa profissão.
Com base no estudo de obras publicadas acerca da Revisão de Textos, o presente trabalho busca estabelecer os critérios essenciais para a formação de um bacharel em revisão de textos. Para isso pesquisamos, em meio a pouca bibliografia referente à Revisão de Textos, obras específicas que abordam sobre o assunto. Após investigação no campo impresso e online, selecionamos cinco publicações dedicadas essencialmente à prática de revisar textos, as quais são resenhadas a seguir.
Iniciamos, então, com o Manual de revisão, de Faria Guilherme, livro datado de 1967. O manual apresenta 133 páginas, oito capítulos e finaliza com um 13 apêndice contendo um glossário. Os capítulos apresentam os seguintes títulos: (1) Revisão: considerações preliminares; (2) Tipos e espécies de revisão; (3) Etapas da revisão; (4) Técnica da revisão; (5) O original; (6) O revisor; (7) Atributos do revisor; (8) Particularidades ortográficas. Nele, encontramos questões necessárias ao trabalho do revisor, as quais servirão de norte à prática cotidiana desse bacharel.
Guilherme começa sua reflexão dissertando sobre a importância da prática de revisar textos. A seguir, lança uma abordagem sobre os tipos de revisão, os quais não serão aprofundados neste trabalho, pois entendemos serem divisões elaboradas em 1967, portanto, ultrapassadas à época em que vivemos.
Na sequência, o autor faz importantes levantamentos sobre os atributos do revisor, tais como: ter domínio no uso da língua escrita, ser imparcial, ter conhecimento cultural etc., e destaca os limites da atuação desse profissional. Além disso, o autor dedica todo um capítulo para descrever a situação do revisor, ou seja, a pouca valorização da profissão, a falta de revisores capacitados e as condições precárias de trabalho nos estabelecimentos que lidam com o texto e necessitam da atividade exercida pelo revisor. Também aborda sobre técnicas de revisão realizadas por meio do uso de sinais gráficos e manuseio de originais, bem como cita alguns detalhes ortográficos que necessitam de atenção. Por fim, a obra apresenta um apêndice com glossário em que podemos encontrar a definição de uma série de palavras utilizadas ao longo do livro, e também de uso comum no exercício da profissão.
Apesar dos mais de 40 anos da publicação do Manual de revisão, esse livro ainda pode ser parte do alicerce para a formação de um bacharel em Revisão de Textos, pois contém noções básicas sobre o trabalho do Revisor. Com as colocações de Guilherme, já em 1967, podemos observar, de forma clara, quais são as aptidões do revisor e o grau de dificuldade enfrentado por quem opta por essa profissão, principalmente ao lidar com o pouco reconhecimento social voltado à atividade de revisar textos.
Seguindo a linha do tempo, a obra O livro: manual de preparação e revisão, de Ildete Oliveira Pinto, publicada em 1993, discorre sobre a preparação de originais para a publicação, em 191 páginas, divididas em 16 capítulos. Do capítulo três ao nove, Pinto descreve os procedimentos de preparação do livro impresso, explicando o encaixe de imagens, seções, formas de discurso, o uso de iniciais minúsculas e maiúsculas, nomes próprios, numerais e divisão silábica. Para dar sequência as suas abordagens, a autora, nos capítulos que vão do 10 ao 14, fala sobre abreviaturas, siglas e símbolos, citações, notas, referências bibliográficas e expõe padrões utilizados no processo de editoração. No capítulo 15, Pinto nos relata O processo de revisão de provas e conclui, capítulo 16, discorrendo sobre A estrutura do livro impresso. Além desses capítulos, em que a autora faz observações sobre o processo de construção do livro, o manual em questão contém um apêndice que dispõe dos principais sinais e símbolos utilizados na revisão, principais abreviaturas e termos usados em referências bibliográficas, abreviaturas dos nomes dos meses em vários idiomas, o alfabeto grego e um vocabulário onomástico .
Nessa obra, podemos observar uma preocupação maior com a estruturação do produto a ser publicado e com informações que auxiliam no trabalho de revisão. Desse modo, o livro apresenta as características de um manual, abordando, de maneira simples, dúvidas comuns ao exercício da revisão, no que diz respeito à estruturação do texto, com ênfase à normalização.
A importância da obra em questão está na atenção dada aos processos de construção de um livro a partir do ensino da norma culta nas estruturas do texto, como o uso de letras maiúsculas e minúsculas, ajustes de citações e notas, dentre outros detalhes fundamentais à publicação de uma obra. Essas colocações são imprescindíveis à formação de um revisor, uma vez que proporcionam uma noção do processo de publicação do livro e o aprendizado de normas comumente utilizadas no dia a dia desse profissional. O que contempla o desenvolvimento do presente trabalho são as abordagem de Pinto sobre a ligação do autor com o seu texto, a importância da norma culta em textos didáticos e científicos, e os possíveis erros a serem cometidos pelo revisor. Sendo assim, identificamos e selecionamos partes dessa obra que julgamos coerentes com a proposta deste trabalho.
Em 2000, Luiz Roberto S. S. Malta publicou o livro Manual do revisor, com 152 páginas, nove capítulos e um apêndice sobre o acordo ortográfico da época. Os nove capítulos do livro apresentam os seguintes títulos: (1) O que é Revisão de Textos; (2) Requisitos para ser um bom revisor; (3) A técnica – como se faz uma revisão; (4) O local de trabalho; (5) Instrumentos de trabalho; (6) Miscelânea – questões práticas; (8) Os preços; e (9) Exemplos que são exercícios e exercícios 6 Vocabulário de nomes próprios que podem apresentar dificuldades quanto à ortografia. Além de nomes de pessoas, também aborda nomes de países, regiões, cidades, museus, palácios, templos, mares, rios etc. 15 que servem de teste. O conteúdo da obra divide-se entre o esclarecimento do trabalho de revisão textual, juntamente com a descrição das aptidões necessárias ao revisor, e uma série de exemplos de textos publicados com erros diversos, acompanhados de sugestões para o exercício de revisão, em outras situações semelhantes a essas.
O Manual do revisor tem o propósito de destacar a importância do trabalho do revisor de livros, citando as exigências para se tornar um bom profissional. Além disso, apresenta os instrumentos essenciais de trabalho e disserta sobre a necessidade de se ter um local apropriado para a realização da revisão, bem como discorre sobre o mercado de trabalho do revisor de textos. Assim como fizemos na obra anterior, também nesta destacamos as informações consideradas essenciais a nosso estudo. Outras abordagens, não menos importantes do que as funções do revisor, mas que fogem aos nossos objetivos, são os exemplos citados na obra em questão. Malta apresenta erros comuns que podem passar despercebidos durante a edição de textos, os quais terminam por serem publicados com os referidos equívocos. Desse modo, essas demonstrações servem para exercitar o raciocínio do Revisor.
No ano de 2008, Aristides Coelho Neto contempla estudantes e profissionais da área de revisão de textos com o livro Além da revisão – critérios para revisão textual. Nas 304 páginas do livro, divididas em 11 capítulos, encontramos conhecimentos importantes ao Revisor de Textos. O autor inicia sua obra com o capítulo intitulado Texto e Revisão, em que descreve a origem e a evolução da escrita; após, discute sobre o polêmico assunto se o fim do livro estaria com seus dias contados e relata um breve percurso histórico da Revisão de Textos. No capítulo dois – O cenário em que nos situamos –, encontramos uma discussão sobre o cenário atual em que o Revisor se insere, que aborda a nova ortografia e o preconceito linguístico. O capítulo três, denominado Conceito de revisão, expõe as atribuições do Revisor, questões sobre originais e editoração e fala sobre os erros de Revisão.
No capítulo quatro, em Os parâmetros do revisor, há uma abordagem sobre a norma culta na escrita e na oralidade. Na sequência, o capítulo cinco disserta a respeito dos Instrumentos para revisão, seguido das etapas e das regras que direcionam O processo de revisão. O capítulo sete revela O dia a dia do Revisor. Em Memórias de Tevisão, capítulo oito, encontramos observações importantes feitas em 16 textos revisados. O capítulo nove disserta sobre Citações, notas e referências – normalização. Para finalizar, os capítulos dez – Teste seus conhecimentos (exercícios) –, e onze, – Tabelas práticas, listagens úteis –, apresentam atividades e tabelas utilizadas na prática de revisão.
Essa é uma obra rica em detalhes sobre o trabalho de Revisão Textual, esclarecendo, de modo simples e abrangente, temas importantes para a formação do Revisor. Isso torna a obra bastante significativa a quem se interessa pelo tema.
Podemos classificar o livro como sendo um dos materiais mais completos encontrados em nosso estudo. Além de uma abordagem voltada exclusivamente à profissão de Revisor, a obra traz textos e exemplos que servem de apoio para o aprendizado dessa prática. É um apanhado enriquecedor para estudantes e profissionais, trazendo aspectos do trabalho cotidiano do Revisor.
Por fim, encerramos nossa investigação bibliográfica com a obra Revisão de textos – da prática à teoria, de Risoleide Oliveira, publicada no ano de 2010 – material impresso mais recente encontrado ao longo desta pesquisa. O conteúdo do livro é composto por parte da tese de doutorado da autora, constitui-se de 150 páginas e se apresenta em duas partes. A primeira parte contém os seguintes títulos: (1) Uma inter-relação necessária; (2) Escrita social e discursiva, (3) Do discurso à estrutura. Neles, Oliveira trata de questões que dão base para a atividade de revisar textos, relacionando-as à Linguística Aplicada e à perspectiva dialógica de Bakhtin, além de integrar abordagens sobre a escrita e o discurso com o exercício da revisão de textos.
A segunda parte é formada por questões intituladas (1) Diálogo entre revisores; (2) Trajetória de uma revisora; e (3) Reflexões finais. A autora dedica-se a entrevistas com outros profissionais da área de revisão para traçar olhares distintos sobre a área em estudo. Para finalizar, Oliveira relata suas experiências vividas enquanto revisora de textos, juntamente com o trabalho docente em ensino básico e superior. A autora faz um levantamento mais recente da atividade do Revisor, comparando teorias da linguística com o dia a dia e as diversas situações relacionadas ao texto, com as quais esse profissional pode vir a se deparar. Nesse contexto, Risoleide disserta sobre a importância de voltar o olhar para os múltiplos contextos sociais em que um texto pode se enquadrar. Como podemos observar, os autores em destaque neste trabalho abordam, cada qual a partir de seus interesses, sobre as competências e as habilidades 17 necessárias ao sujeito que visa tornar-se um revisor de textos, os limites que devem ser estabelecidos durante o exercício de revisão e o material de apoio indispensável à atividade. São, então, as particularidades da atividade do revisor de textos, já postas em evidência por esses autores, que discutiremos a seguir. Em outras palavras, é com base nas obras já comentadas que seguimos o desenvolvimento do presente trabalho, dando destaque aos principais conceitos e abordagens de cada autor para que nossos objetivos sejam plenamente atingidos.

Disponível em: https://wp.ufpel.edu.br/rrt/files/2017/10/A-relev%C3%A2ncia-do-trabalho-do-revisor-de-textos.pdf

Compartilho com vocês, leitores, este texto, bastante revelador sobre Revisão de Textos de autoria de Mayara Espíndola Lemos, 2014, Pelotas. .

Share on Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *